Black Desert Online SA


Plataformas e Consoles: PC, Microsoft Windows

Saiba tudo sobre o jogo Black Desert Online SA: Assista ao trailer Oficial do game, Gameplay, Enredo e História do jogo, Screenshots e Imagens.


DATA DE LANÇAMENTO: 18/mar/2020

DESENVOLVEDOR: Pearl Abyss

DISTRIBUIDORA: RedFox Gamesl


SOBRE O GAME

Black Desert Online é um MMORPG de tirar o folego, com um mundo aberto massivo e incríveis gráficos next-gen. Deixe o Espírito Negro lhe guiar em sua jornada. Experimente um combate rápido e lotado de ação, conforme você caça monstros, elimina chefes, derrota seus inimigos e guerreia em seu caminho para o topo. Sua aventura está esperando!


Principais Destaques

  • Um mundo aberto lindamente preparado que é tão expansivo quanto é vivo

  • Combate com base em suas habilidades

  • Customização de personagem sem precendentes com incríveis detalhes

  • Gráficos da próxima geração definidos

  • PVP de mundo aberto extensivo (Arena, guild vs guild, guerras de base, conquista de castelo, e mais)

  • História engajante profunda e com missões épicas

  • Sistema de fazenda único - Cultive e colha suas plantas

  • Um estábulo personalizado - captura, domestique e cruze cavalos selvagens

  • Sistemas de moradia, pesca, caça, alquimia e intrincados artesanais

  • Um gameplay intuitivo, com total suporte a controle


GOSTARAM DO GAME 89%


TRAILER

ENREDO

HISTÓRIA DE CALPHEON

Após a morte do último rei Guy Serik, Calpheon tornou-se uma república parlamentarista. Com as vitórias nas guerras ele se tornou líder do continente oeste tendo sob seu poder os estados autônomos de Heidel, Keplan e Olvia.


Nº 1 ANO 235 DO CALENDÁRIO ELIONIANO

A morte negra teve seu início com a guilda de comerciantes que cruzavam o deserto. De Valência, ela se espalhou por todo o continente ocidental atingindo Calpheon, Keplan, Heidel e Olvia, devastando as cidades e dizimando a metade de toda a população ocidental. Não houve perdão nem piedade para essa catástrofe que deixava a pele preta e apodrecida. As pessoas definidas a vigiar e suspeitar dos outros e logo cortaram os seleções. Todos os suspeitos de carregar a doença foram expulsos do castelo, sem exceção.

Todos eram iguais perante uma doença letal que obrigava a abandonar até os seus familiares. Não havia mais diferença entre nobreza e plebeus. Os mais pobres morriam de forma trágica e eram queimados junto com todos os seus pertences.


De repente, a morte negra desapareceu do continente, mas os seus rastros sacudiram a classe baixa de forma profunda e permanente. Diante da morte negra, perceberam que o sangue que corria na veia dos pobres era igual ao da nobreza. Culparam ao deus Elion por não ter respondido a oração deles de acabar com o desastre.

As nobrezas sobreviventes de cada país estavam desesperadas. Se reuniram em Calpheon e decidiram escolher Valência como um inimigo em comum, culpando ela pela morte negra a fim de manter a ordem na sociedade. Os sacerdotes elionianos foram os primeiros a agirem e culpavam Valência pela doença, instigando uma população com uma afirmação de que uma pedra mágica forjada com cristal negro era uma causa da morte negra. Os reis seguiram ao pronunciar a necessidade de ocupar o deserto negro para obter cristais negros a fim de acabar com o desastre. Prometeram um salário, que não existia antes, aos pobres em uma época que a começava a ter uma noção de valor do trabalho.

Por fim, foi formada uma aliança de Calpheon e isso marcou o início de uma guerra contra Valência.


Nº 2 ANO 236 DO CALENDÁRIO ELIONIANO

A igualdade da morte negra foi reconhecida rapidamente pelos incontáveis ​​cadáveres negros dos Valencianos encontrados ao longo da expedição. Afinal de contas, ninguém tinha escapado da doença. Os sacerdotes que culpavam Valência foram ridicularizados e com isso aumentou a percepção de que a posição privilegiada sustentada pelo elionismo não passava de mera sorte. Mas a guerra continuada sob o pretexto de vingança.


Quanto mais a expedição durava, mais Mediah se enriquecia. Com a localização privilegiada que ocupava o centro do continente, ela aproveitava a guerra fornecendo suprimentos de guerra. O que começou com a espada e cresceu com o forneciemneto das armas de fogo e canhão e passou a desenvolver minas de grande porte.

Equanto isso, Valência utilizava o cristal negro para cozinhar e sobreviver a noite no deserto. A aliança trazia uma grande quantia de cristal negro a cada expedição. Até então, nem Valência nem Calpheon tinha conhecimento do valor real do cristal negro. Mediah, foi a única que exibiu a importância do cristal negro sob argumento de que ele era usado na fundição e fabricação de pólvora. Foi assim que Mediah acumulou cristais negros, e a cidade prosperou e atraiu cada vez mais pessoas, assim conseguiu construir seu baluarte.

A aliança dedicou 30 anos à guerra até a tempestade de areia enterrar o rei Dahad Serik de Calpheon e a maioria de seus soldados no deserto negro.


Nº 3 ANO 267 DO CALENDÁRIO ELIONIANO

Como se uma longa guerra não bastasse, o seu fim foi seguido pelos desastres naturais por toda parte. A tempestade de areia era apenas o começo. Na terra, a tempestade que tinha enterrado a expedição, engoliu as aldeias do deserto desta vez. E no mar, o tsunami devorou ​​as aldeias do litoral junto com todos os seus barcos. Na região de planalto, uma chuva incessante fez uma terra desmoronar e um tufão mudou o mapa da região. A região tropical depois do deserto foi castigada pela seca. Fogans expulsaram Nagas e passaram a dominar o pântano de Serendia, o êxodo dos Orcs e ogres também foi observado e os bárbabos surgiram a se unir e formaram aldeias no Sul de Mediah.

Com as fronteiras mais frouxas devido à expedição fracassada, os bárbaros, que também perderam seus lares com os desastres, instam a oportunidade e definida a migrar para o interior do continente onde estava menos afetado pelos desastres. A pilhagem era constante, assim como o sofrimento e uma confusão, e só crescia já que não era possível comunicar entre humanos e bárbaros. A harmonia entre os dois parecia impossível.


Nº 4 ANO 275 DO CALENDÁRIO ELIONIANO

Keplan, Heidel e Olvia, sob uma intermediação de Mediah, iniciaram o comércio com Valência. Essa era a única solução para recuperar a finança debilitada pela última expedição fracassada. Não muito tempo depois, o rei de Calpheon autorizou, mesmo com a nomeação dos sacerdotes, o comércio pelas guildas.

Dez anos após a última expedição, Mediah já não era mais a mesma do passado. A região sul era dominada por bárbaros e, opostamente, a região norte era rodeada por camadas de paredes e fortemente guardada por soldados equipados com armas de fogo e canhões. A cidade estava vibrante com classes chaminés e repleta de dispositivos desconhecidos.


Os comerciantes de Calpheon estavam em busca das razões de tal avanço, mas não acharam nada em Mediah. A pista só foi encontrada no deserto negro roubada de um local fortemente guardado pelos soldados de Valência. Os alquimistas de Calpheon finalmente se depararam com o cristal negro, e Calpheon descobriu uma razão da superioridade das armas de Mediah e não desmoraram muito para outros reinos como Keplan, Heidel e Olvia terem o conhecimento dela.

Todos os reinos estavam desesperados para obter cristais negros. Primeiro foi Keplan, que encontrou na montanha rochosa, mas devido a alta impureza, uma combustão era insatisfatória. Após o fim da guerra, Mediah foi proibida de comercializar cristais negros e começou a comprar de Keplan, pagando um preço alto mesmo sendo um cristal negro impuro. Outra descoberta foi feita no pântano de Serendia dentro de uma pequena pedra preta que jovens Nagas carregavam na sua mão. Esse cristal apresentava uma concentração tão alta que até os comerciantes de Mediah chegaram a visitar o local para verificar pessoalmente.


Por outro lado, Calpheon estava preocupado porque mesmo com a busca incessante não encontrou nenhum cristal negro dentro do seu reino. Permanecendo assim, era uma questão de tempo para Calpheon perder o posto de líder do continente ocidental e passaria a ser um reino de segundo escalão. Mesmo cobiçando os cristais negros de Serendia o problema era os plebes. Os desastres naturais e a guerra tiraram vidas, e para piorar, a pilhagem dos bárbaros castigava a vida já difícil deles. Era necessário um salário alto para recrutá-los como soldados. O jovem rei Guy Serik de Calpheon, para obter recursos para a guerra, tentou convencer os sacerdotes com o argumento de que essa era uma oportunidade para reerguer o eliniosmo que tinha perdido muitos fiéis. Foi prometida aos comerciantes a permissão de contratação de soldados privados para competir com comerciantes de Mediah.

Assim começou a guerra para controlar negros cristais.


Nº 5 ANO 276 DO CALENDÁRIO ELIONIANO

Keplan, situado no caminho a Serendia, foi a primeira vítima de Calpheon. Porém, Heidel tinha força suficiente para se defender, entre eles os lendários generais Cliff e Armstrong que participaram da última expedição. Mesmo após herdar, Calpheon não teve o sucesso que desejava. Os dois generais que ocupavam a torre de vigia de Serendia eram invencíveis.

O rei Guy Serik de Calpheon, após manter seu exército em conflito, selecionou seus 300 melhores soldados e seguiu a Balenos. O rio que corre em Balenos e nas planícies de Serendia também atravessa o castelo de Heidel. Aproveitando a escuridão da noite e dos barcos velozes, ele inicia um ataque surpresa contra os soldados de Heidel que foram incapazes de se defender. Quando o general Cliff chegou com seus soldados, o castelo já estava em chamas e Guy Serik não estava mais lá.


Nº 6 ANO 277 DO CALENDÁRIO ELIONIANO

Assim que o castelo de Heidel foi visto em chamas, os soldados de Calpheon avançaram à torre de vigia. O problema maior para Heidel foi o Rei Crucio. Rei Guy Serik acabou capturando o Crucio que não tinha conseguido escapar a tempo. Apesar disso, a guerra entre Calpheon e Heidel parecia que não acabaria tão cedo. Rei Guy Serik ofereceu um tratado com três condições. As condições eram as seguintes: Primeiramente, não será mais permitido a permanência do exército de Heidel perto da torre de vigia. Em segundo lugar, todo o comércio e diplomacia serão feitos por meio de Calpheon e por último, o cristal negro incorporado em Serendia pertencerá a Calpheon. Rei Crucio de Heidel assinou o acordo e o acordo foi firmado.


Nº 7 ANO 278 DO CALENDÁRIO ELIONIANO

Rei Crucio só conseguiu voltar a Heidel um ano após a sua captura. Olvia se rendeu sem lutar e passou a ser domínio autônomo de Calpheon. O cristal negro começou a ser extraído do moinho de extração construído na pedreira de Keplan e em Serendia. Logo, Guy Serik estava de olho no deserto negro onde o seu antecessor estava enterrado. O jovem rei firmemente acreditava que se conseguisse dominar o deserto negro, seria possível conquistar todos os reinos do continente, além de avançar no mundo desconhecido.

Infelizmente, não existia mais aliança, nem conquistar Mediah era possível sem a ajuda maciça de Heidel. O jovem rei sabia que Heidel


O jovem rei sabia que Heidel não se juntaria à sua causa. Então, acabou recrutando um grande número de mercenários sem paciência em esperar até acumular cristal negro. Um aumento de imposto sem precedente foi anunciado com o objetivo de antes de uma guerra. Foi um golpe duro para os plebeus que mal estavam se recuperando da expedição fracassada e de desastres naturais. Até a igreja foi submetida a pagar imposto. Além disso, os soldados contratados pelas guildas foram incorporados ao governo.


Nº 8 ANO 281 DO CALENDÁRIO ELIONIANO

Com a morte negra, havia tempo que o feudalismo tinha sido extinto e a classe baixa, provou o seu valor na era em que o comércio passado a ser o motor do desenvolvimento. A arbitrariedade de um rei não era mais bem-vista, tanto pela nobreza e pelo sacerdote quanto por plebes. Consequentemente, o rei Guy Serik de Calpheon, foi assassinado com uma taça envenenada oferecida por um criado.

Com a morte do último rei de Calpheon, foram escolhidos representantes de cada classe e assim começou o parlamentarismo.


CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA : 10 ANOS


JOGABILIDADE

O combate em Black Desert Online é baseado em ação, exigindo mira manual e movimento livre semelhantes aos encontrados em jogos de tiro em terceira pessoa. O jogo oferece moradia, pesca, agricultura e comércio, bem como eventos de cerco grande jogador contra jogador e batalhas de castelo. É bem visto por sua personalização avançada e profunda de personagens.


Um sistema de combate ativo requer pontaria manual precisa, esquiva e uso de combos, ao contrário do sistema de segmentação por guia visto na maioria dos MMORPGs. Habilidades podem ser ativadas por meio de combos para atacar, esquivar ou bloquear. Os jogadores também podem entrar em combate montado. As montarias são adquiridas domesticando-se na selva, e os jogadores podem criar montarias especiais acasalando certos tipos. Montagens requerem alimentação e cuidado, não podem ser armazenadas no inventário e podem ser mortas.


O jogo inclui uma série de recursos para auxiliar na imersão e no aspecto sandbox. O dinâmico sistema meteorológico mundial inclui eventos de grande escala, como tufões, e irá influenciar a jogabilidade. O clima localizado incluirá eventos como neblina temporária, que os jogadores podem explorar para lançar ataques surpresa em estruturas de guildas rivais. Também existe um ciclo dinâmico de dia / noite com uma progressão gradual de efeitos de iluminação. Durante a noite, alguns personagens não-jogadores (NPCs) ficarão indisponíveis quando voltarem para casa e os monstros vão soltar mais itens. Diferentes conteúdos de jogos estão disponíveis, dependendo se é noite ou dia. [13] A caixa do jogador é instanciada e varia em tamanho e localização. Os jogadores podem mobiliar e equipar suas habitações comprando móveis por meio de NPCs ou por meio de artesanato


IDIOMAS

Interf / Dub / Leg

Português

Inglês ✔ ✔

Espanhol ✔ ✔



GAMEPLAY

GÊNERO

AVENTURA - RPG - MUNDO ABERTO - ANIME









  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

Copyright © 2018 Expressão Sites, Todos os Direitos Reservados.